Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Últimos achados: Yay Jones e SZA + BONUS

Logo no começo das minhas férias eu tive o primeiro contato com alguns artitas, através da internet claro. Descobri bandas, modelos, cantores, e filósofos ótimos. Acredito que todos esses irão aparecer aqui no blog em algum momento, seja de maneira direta ou não. Contudo, existe duas meninas que me agradaram em diversos aspectos. A identidade visual delas é magnificamente emponderada. E vejo que esta rede social precisa de pessoas assim, que desafiam a hegemonia eurocêntrica presente na base dos posts de diversos blogs.

Começo apresentando a vocês a Aya Jones. Ela é uma modelo parisiense de 20 anos. Iniciou recentemente sua carreira no mundo da moda, e nesses primeiros 7 meses de passarela, desfilou para marcas como Prada (<3), Miu Miu e Dior. Aya saiu na capa da Teen VOGUE do mês passado, junto com a Imaah Hammam e Lineisy Montero. Juntas elas formaram um grupo de meninas superpoderosas negras no atual cenário fashion. 
Eu estou encantado com essas garotas, em especial a Aya. E torço muito para que elas,junto com diversas outras modelos negras, consigam desconstruir os muros racistas presentes na moda. 

TUMBLR (esse perfil é administrado por um fan, mas é ótimo para quem quer ficar admirando as fotos da Aya) | INSTAGRAM



Por fim, trouce SZA, uma cantora norte-americana. 
Já era madrugada quando eu recebi o link de um clipe da SZA. Dei play e desde então sou apaixonado por ela. Além de ter uma voz maravilhosa (super recomendo seus lives), ela possui um estilo visual bastante inspirador, que pode ser lindamente notado em seus vídeo clipes. Mas talvez o que mais me chama atenção nela é seu cabelo. Quem acompanha o blog ha algum tempo, deve ter notado eu sou fissurado em cabelos, de todos os tipos, mas em especial os cacheados/crespos e coloridos. E o da SZA, atualmente, encaixa nesses dois grupos. Aliás, por conta dele, ela até deu entrevista para a vestida VOGUE, no qual ela fala sobre sua nova cor.






BONUS:
Já que o post possui mulheres que estão destruindo as barreiras racistas e miógenas existentes em industrias como a da vestimenta e a musical, decidi trazer um clipe da M.I.A que promove justamente isso. Se formos fazer um paralelo com a realidade brasileira, veremos que o vídeo conversa bastante com a vivencia do povo negro. Nesta semana ocorreu duas marchas, uma pelo Orgulho Crespo e ou pelo Orgulho Ruivo. Contudo, enquanto aquela foi ridiculariza e deslegitimada, esta sofreu total apoio.

Este curta foi inspirado em massacres que a população negra sofre ao redor do mundo. Pensando nisso, M.I.A ( que também é negra) inverte as vivências dos grupos sociais: os ruivos passam a ser perseguidos e violentados por policiais. 

Houve então uma censura, acompanhado de um forte sensacionalismo midiático. Alegaram que o clipe é extremamente violento, chegando até a ser repulsivo. O que me deixa revoltado é que a morte brutal porém ficcional de pessoas ruivas causa ainda mais comoção do que os assassinatos e torturas reais que a população negra e diversos outros grupos sofrem diariamente. E foi justamente uma dinâmica racista que aconteceu ( e acontece) no brasil em relação às marchas que gritavam um orgulho fenotípico; vale lembrar que essas manifestações ocorrem todos os dias de maneira individual. A população em sua maioria abraçou a causa de um grupo, o protegeu, deu suporte e apoio. Enquanto para outro, restou apenas xingamentos. 

Enfim, assista o vídeo e tente enxergar a denuncia que ele está fazendo. Porque é exatamente isso que acontece nas favelas brasileiras, por exemplo.  

Até mais. 


M.I.A, Born Free from ROMAIN-GAVRAS on Vimeo.
www.miauk.com www.neetrecordings.com

Director : Romain Gavras
Director of Photography : André Chemetoff
Producer : Mourad Belkeddar
Production company : www.elnino.tv
Executive Production : Gaetan Rousseau / Paradoxal
Special thanks to Lana & Melissa from The Director's Bureau

sábado, 11 de julho de 2015

Para se inspirar: Flickrs

O primeiro semestre de 2015 foi surpreendente. Entrei de cabeça em um processo de redescobrimento de mim mesmo, e só fui dar conta disso agora que tal período acabou. Talvez isso tenha acontecido pelo motivo desse espaço de tempo ser correspondente aos meus 6 últimos meses do ano no calendário astrológico. Nessa ultima metade do meu ano, me vi varias vezes mergulhando, afogando e emergindo em um mar de incertezas. Foi assustador, mas necessário. Atualmente eu ainda me vejo nessa situação, mas agora compreendo que o contato com o caos é extremamente necessário para nós, seres humanos.
Por consequência, acabei me conhecendo melhor e descobri que minha paixão por algumas coisas é mais forte do que eu imaginava.Uma delas é a fotografia. Aliás, uma das minhas metas para esse ano que acaba de iniciar para mim, é aprimorar meu conhecimento fotográfico. 
Mas enfim, pensando em nessa paixão, resolvi trazer alguns dos meus perfis favoritos do Flickr  


Essas imagens me lembram bastante aquelas que encontramos no tumblr. Mas, mesmo sendo similares, as fotografias da Gloria Marigo destacam-se. Elas possuem uma peculiaridade que eu ainda não consegui dizer qual é. Me fazem lembrar de alguns filmes, e do cenário da moda londrina;pelo qual sou apaixonado. São melancólicas e sarcásticas. E bastante fashions. A natureza está presente em quase todas as imagens, e eu amo isso.  Enfim, sou apaixonado por elas.

As fotos presentes neste perfil são as que mais mexem comigo.Elas transmitem uma sensação de medo, angustia, tristeza, parece que aqueles corpos estão sendo intrinsecamente sufocados. Em alguma dias, me vejo em muito deles. 

O que mais gosto nesse perfil, é que em todas as fotos o sujeito parece está perdido. Tentando se encontrar.E é justamente isso que ando fazendo.

sábado, 4 de julho de 2015

A ascendencia das saias masculinas e o processo de ressiginificação do vestuário




Em todos os períodos históricos, a vestimenta sempre possuiu uma importância para seus contemporâneos. Isso porque a roupa, além da proteção, também possui a função de emitir mensagens, sendo essa emissão, um reflexo dos costumes de cada sociedade. Essa dinâmica de absorver, traduzir e refletir, possui conteúdos mutantes, que mudam de acordo com cada geração. Existe portanto, um constante processo de ressignificação do vestuário.

Nos anos 2000, graças também a movimentos sociais surgidos no século XX (como o feminista, o hippie e o  gay), as barreiras religiosas e científicas presentes nos gêneros sexuais estão sofrendo constantes ataques da geração pós-moderna. Uma geração conhecedora dos processos de construção de consensos sociais, e de suas consequências - exclusão, segregação, assassinatos e espancamentos. Então, quando imaginamos uma equação de "conhecimento sobre o objeto + dúvida acerca do mesmo = crítica", entendemos o porque desses indivíduos conseguirem pensar em uma desconstrução dessas regras e a promover.  

Os pós-modernos ao desenvolver a quebra de fronteiras, acabam também atingindo negativamente outros elementos, sendo a cultura o principal deles. Mas em contra partida, seu pensamento liquido, que acredita em uma impossibilidade de classificação, e reconhece o processo de auto-reconhecimento como o mais correto,  acaba por legitimar por completo a complexa sexualidade humana e suas diversas maneiras de manifestação. As roupas contemporâneas passam  então a refletir essas ideias, como pode ser visto na semana de Semana de Moda Masculina de Milão (verão 2016) , nos desfiles da Viviennne Westwood, Gucci, Burberry e de J.W Anderson.


Atualmente, a industria da moda ainda continua tentando destruir as barreiras de gêneros que encontram-se presentes no espirito das roupas, introduzindo peças femininas nos armários masculinos. A saia é uma delas.  

Sim, elas já são usada pelos escoceses; os Kilts. Entretanto,  neste caso existe uma conotação fortemente cultural dessa vestimenta, que por isso acaba sendo usada apenas por um determinado grupo de individuos e em determinadas situações. O que a moda pretende é tornar as sais algo comum entre os homens, que possam ser usadas cotidianamente para ir ao trabalho, escola, cinema e igrejas;  e não apenas em festas tipicas da cultura escocesa. 

A industria visual deseja equalizar o uso da saia com o da blusa de botão e o blazer (peças que transitam livremente entre corpos femininos e masculinos). 

Quem conhece a história da calça, sabe que foi em meados das décadas de 1920 que surgiu a feminina, criada pela Coco Chanel. Digo de maneira explicita, visto que há relatos de sua existência em décadas anteriores. Sendo apenas na década de 1960 que ela conseguiu consagrar-se como uma peça de duplo gênero. Fato que possibilitou o surgimento e desenvolvimento do conceito "unisex", antecedendo a escancarada androginia dos anos 80. Portanto, esperamos que as saias masculinas não demorem 40 anos para serem aceitas entre os ocidentais . Mas, se este for o tempo necessário para que padrões de vestimentas sejam mudados ou apagados, acredito então nós pós-modernos deveremos também começar a questionar o tempo cronológico. 
















sábado, 20 de junho de 2015

OOTD + COSTURA + INVERNO 2015: BRAVADO

Eu prometi que voltaria, e aqui estou novamente. Resolvi parcilmente o problema com a câmera. Eu não aguentava mais ficar afastado do blogger; sem postar. 
O PsicoTêndência é muito mais que um blog para mim, ele é uma das extensões do meu corpo. Nele eu consigo ilustrar, atravéz de combinações de roupas ou playlists musicais, todos meus pensamentos, desejos e opiniões. Meu blog é realmente um diário. 
O tempo que passei offline foi complicado, bastante triste, confesso que pensei em desistir por varias vezes. Mas em contra partida, esse meu exílio serviu para me mostrar o quanto amo essa interação que o blogger proporciona. O quanto gosto de criar e acompanhar criações. Enfim, voltei.

Este look foi todo feito por mim. Costurei todas as peças. Além da bolsa e da gargantilha. Ele foi inspirado neste outro da Talitah do blog Nuas e Cruas. Um blog que eu amo e acompanho a bastante tempo. Quando vi essa combinação pela primeira vez rapidamente pensei : preciso disso, é PERFEITO!

Espero que goste














terça-feira, 21 de abril de 2015

Atualizações

Primeiramente preciso me desculpar com você que acompanha este blog. Desculpe-me por todas as vezes, que no espaço de tempo de duas semanas, você me fez uma visita e não me encontrou em casa. E ainda peço perdão pelas futuras visitas nas quais acontecerá a mesma coisa. Eu juro que estou fazendo o máximo possível para voltar a postar. Voltar para minha casa cybernética; voltar para o Blogger. 

Minha mais nova rotina de estudante de um curso integral (psicologia), deixou de ser meu maior problema. Eu consegui acostumar com ela, e agora já consigo enxergar momentos em meus dias que poderiam ser usados exclusivamente para fazer qualquer coisa que não seja estudar.  Meu problema agora é outro: estou sem câmera fotográfica. E por isso não consigo atualizar o blog da forma que eu acho perfeita. Mas isso está para mudar, se tudo ocorrer como eu estou ensaiando, estarei de volta ao meu lar no começo do próximo mês. E com novidades!!! 

Essas fotos foram tiradas em um tempo em que eu tinha um câmera boa. Resolvi posta-las aqui pois elas mostram que mesmo passando por uma bad, eu estou produzindo conteúdo para o blog.
As imagens iram te atualizar, pelo menos de maneira parcial. 

Mil abraços. 

 Ontem resolvi pintar todo meu cabelo ( na verdade, existe ainda uma raiz de três dedos 100% natural). 
Consegui aceitar minha inconstância. Hoje reconheço que estou em um constante processo de mudança. E acredito que também irei gostar dessa minha nova fase. 

Já comecei a fazer minha coleção de Inverno 2015. Essa foi a primeira peça.
A coleção se chamará "DESCONSTRUINDO" 

Estou conseguindo atingir uma das minhas metas para 2015; deixar meu quarto arrumado. Confesso que neste exato momento ele está uma zona, mas eu estou super incomodado com essa situação.Coisa que não acontecia há meses atrás. 
Essa é uma foto dele arrumado (!!!)

Mês passado eu acabei fazendo o mesmo trajeto que eu fiz durante três anos, enquanto cursava o ensino médio. 
Ai eu estava em um viaduto. Fiquei ali parado  por alguns minutos,pensando naqueles anos. Não sei descrever meus sentimentos naquele momento, talvez tenha sido uma saudade. Mas não sei bem do que.