Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 29 de março de 2015

Para Amar + Tendencia + DIY: Crochê

Há algumas semanas atrás, surgiu em mim, em meio a um típico tédio de madrugada, uma vontade de conhecer um pouco mais das técnicas de crochê. Então, fui pro Youtube assistir uns vídeos, e gostei bastante do que encontrei. Fiquei encantado por este , porque nele é ensinado a fazer uma peça que, ao meu ver, também poderia ser usada por meninos. Mas achei esse tutorial super difícil para iniciantes e mal explicado. Enfim, acabei ficando com raiva, entretanto não desisti por completo de aprender a fazer aquele modelo ou um parecido.

Dai, essa semana eu tive uma surpresa maravilhosa. O novo vídeo do canal da Lilian Pacce trás a modelo Samira Carvalho para falar um pouco mais sobre o crochê, além de mostrar ela ensinando  a fazer uma peça que está super em alta entre as meninas dos anos 2000; o top dos anos 70. 

Concordo com a Samira quando ela diz que o crochê é algo atemporal, e que pode ser usado em todas as estações. Reconhecer essa característica possui extrema importância para o cenário fashion, pois tal ação contribui para acabar com a ideia de que "crochê é coisa de gente velha", que por fim fica sendo associado a algo brega; como se não existissem fashionistas com mais de 60 anos... 

Instagram da Samira
Instagram da Sambentotc (Loja onda a Samira vende suas criações )

PS: Em minha "coleção" de inverno,  quero que tenha algo de crochê. Então, se você conhecer algum vídeo legal, deixe nos comentários. ?) 






Meninos, acredito que essa camiseta preta poderia ser tranquilamente usada pela gente. Reconheço que talvez algumas adaptações seriam necessárias, para que a modelagem feminina fosse substituída por traços mais masculinos. Mas isso parece ser fácil de fazer. 
Enfim, minha intenção em evidenciar essa blusa é justamente mostrar que também podemos usar crochê sem nenhum problema.  




segunda-feira, 23 de março de 2015

A têndencia Oversized e sua desconstrução do corpo humano




Através de uma análise antropológica cultural acerca da moda, conseguimos enxergar as diferentes maneiras que o corpo humano foi moldado por essa indústria. De molduras básicas constituídas no período paleolítico  às complexas e conceituais da contemporaneidade, a trajetória dessas representações evidenciam o lado ignorado do cenário fashion: sua importância no âmbito da sociologia.

Se tal estudo for realmente feito, você irá perceber que ao longo dos séculos houveram varias revoltas e revoluções no mundo da moda, onde em cada uma delas, influenciadas por valores de determinada geração, o resultado sempre foi um novo padrão estético. Entretanto, minha geração, com seus incompreendíveis ideais, vem aos poucos quebrando esse processo de criação, através, por exemplo, da tendência Oversize; que propõem justamente uma desconstrução anatômica. 

Usar uma camiseta GG, quando  na verdade seu tamanho é M,  nunca esteve tão em alta entre os jovens fashionistas urbanos.  As calças largas, que marcam apenas a cintura também são endeusadas por essas pessoas. Mas nenhuma peça supera as de sobreposições. Parkas, cardigãs, sweaters e jaquetas apresentam-se como as mais fieis representações da tendência, pois através delas é possível criar combinações capazes que remodelar por completo o corpo do individuo. Sua musculatura cai  no abstracionismo, onde a subjetividade da as cartas. Com isso, surge em nós telespectadores, perguntas e expressões como: "ele é gordo ou magro? porque com essa roupa não da pra ter certeza" ou "nossa, você ficou mais alta com essa calça" e até mesmo "você é homem ou mulher?".

É justo citar que esse movimento foi influenciado por outros de décadas passadas. O Hip Hop e o Grunge dos anos 80 já apresentavam a ideia de vestir peças maiores que seu corpo. O movimento hippie da década de 60 declarou para a sociedade a necessidade de cultivar a liberdade sexual e física, pensamento que refletiu na identidade visual dos adeptos à essas filosofias (como pode ser visto nesta foto), e contribuiu que as novas gerações tivessem um pensamento mais critico em relação aos padrões de belezas e comportamentos impostos por um sistema patriarcalista. Acredito que é nesse momento que o street style toma mais força, sendo ele o responsável por fazer tais questionamentos no cenário fashion.
  
Somos a ponta de um iceberg e os movimentos de contracultura ocorridos ao longo da história constituem o restante dessa estrutura. Entretanto, mesmo carregando conosco influências de ações passadas, é preciso evidenciar nossas particularidades. Damos continuidade a causas sócias "antigas", mas também lutamos por novas mudanças, as quais podem até ser classificadas como ramificações ou desdobramentos daquilo que já vem sendo discutido  por gerações passadas. E tal dialética pode ser claramente vista na moda, quando ocorre uma alteração na paleta de cores ou no tecido, mas se preserva a modelagem de uma peça que foi super usada por sua avó quando nova. Ou quando é proposto uma recriação de um modelo ultrapassado de sapato, adicionando novos recortes e detalhes,  para que este volte a ser popular. 

Em tempos onde os questionamentos nunca estiveram tão fortes e explícitos, a Oversized caracteriza-se como uma dessas indagações. Então, se conceitos e valores estão se modificando, nada mais natural do que questões de gênero serem atingidas por esse movimento. Por fim, acredito  que tal tendência, como diversas outras, é uma das forma que nós achamos para fazer a mesma pergunta: se somos uma construção social, como podemos destruir essa estrutura? 

ps: Eu sei que no período paleolítico não existia industria da moda formada.





quarta-feira, 18 de março de 2015

Música + Moda + TAG: Music Inspired Outfits

Há algumas semanas entrei na fase mais temida pelos bloggers: aquela que você fica sem inspiração.  Eu realmente estava sentindo um bloqueio criativo. Fiquei dias pensando em um post musical, mas não conseguia chegar em nada concreto.

Dai, vendo minha aflição, os deuses protetores dos blogueiros resolveram mandar uma ajuda: o novo vídeo da Barbara (LETRAS DE BATOM). Nele ela responde uma tag chamada Music Inspired Outfits ( Looks inspirados em artistas da música).

Achei essa tag magnifica e bastante inspiradora, pois ela consegue relacionar dois cenários culturais da maneira muito harmoniosa. Então, decidi procurar mais videos e separar os meus prediletos. Aqui estão eles. :)








BÔNUS:
A Karol Conka acabou de lançar o clipe da música Tombei. Sou apaixonado por essa artista, e fiquei super feliz com esse vídeo. Ele demonstra claramente sua evolução visual e musical; não que ela já não fosse boa, muito pelo contrário.  
Achei que seria legal anexa-lo no post, pois ele também é tão inspirador quanto os outros acima. 

segunda-feira, 9 de março de 2015

MEU NOVO CABELO

Ja fazia bastante tempo em que queria voltar a ter cabelo colorido. Mas não ele por inteiro, como era, e sim apenas alguma(s) parte(s).

Então comecei uma jornada na internet, em busca de inspirações. Achei vários tumblrs dedicados exclusivamente à pessoas negras de cabelos coloridos, e me apaixonei por todas as fotos que neles encontrei. 

Inicialmente minha ideia não era fazer essas luzes coloridas, e sim apenas uma mecha perto da orelha; algo mais minimalista. Entretanto, quando comecei a descolorir o cabelo não consegui me controlar. E o resultado final foi este.

Os tumblrs que me inspiraram: 






terça-feira, 3 de março de 2015

OOTD + Costura + DIY: All My Friends



Sei que ainda não chegamos na estação mais fria do ano, mas senti necessidade de criar uma combinação invernal, depois de tantas relacionadas ao verão. 

Tirando a camiseta e o creeper, todo o resto foi feito por mim.

Já faz tempo em que eu queria criar uma calça, mas foi recentemente que surgiu em mim a vontade de fazer um modelo mais largo e estampado. Acredito que o inverno não resume-se a skinnys. Peças com movimento, que modelam o corpo de uma maneira mais discreta (através do vento) também possuem seu espaço nessa estação. 

Gostei tanto do resultado que já penso em fazer outras dessas, mas sem elásticos na barra. 

Os acessórios também sofreram a influencia do clima. Usei fios pretos e pedra de cor fechada. Mas sabendo que a cartela de cores também apresenta tons mais fortes, resolvi criar uma chooker com pingente de um azul que parece estar sendo iluminado por algum LED hahaha.